O preconceito, boatos, linchamento virtual, falta de conhecimento sobre a doença e o medo da exposição deles mesmos e das famílias tem sido algumas das maiores dificuldades que alguns dos diagnosticados com o novo coronavírus (Covid-19) têm enfrentado nos últimos dias.

Toda situação de privação de contato por si só traz uma carga negativa e esta condição é ainda mais intensa no caso das pessoas infectadas com o novo coronavírus. A curto prazo estas pessoas podem ficar muito ansiosas e abusar do álcool, drogas e medicações e até perder o sono e o apetite.

É normal que as pessoas sintam medo porque é uma doença nova. Porém é preciso lembrar que as pessoas que ficaram doentes não escolheram isso e que elas não deixaram de ser nossos amigos, parentes, vizinhos e colegas de trabalho por estarem nesta condição.

É preciso fazer um bom uso das redes sociais e dosar o consumo da grande quantidade de informação que se tem sobre o assunto, tomando muito cuidado com as notícias falsas.
Famílias inteiras são hostilizadas por vizinhos e conhecidos. Não é raro ver nas redes sociais, alguém curado da doença, reunindo informações e desmentindo boatos de que A ou B teriam disseminado o vírus.

Basta uma rápida olhada nas redes sociais para verificarmos a onda preconceituosa que essa pandemia gera. Muitas pessoas doentes, ou em monitoramento e seus familiares tem sido agredidos nas redes sociais. A condenação é rápida.

O consenso é geral em pensar que ninguém fica doente porque quer. Há tantos casos de pessoas que saíram do país antes da pandemia, tantos outros de pessoas que planejaram, economizaram, pagaram por uma viagem que deveria ser a realização de um sonho, e que se tornou em pesadelo. Também há casos de profissionais de saúde humilhados no Facebook e Instagram. Isso, numa busca rápida. A pergunta que nos vem à mente é sempre a mesma: “E se fosse teu familiar. E se fosse você?”.

Acompanhe o leitor (nomes fictícios): Maria tem oito anos e dores fortes de garganta e tosse forte. É levada ao hospital por seus pais. Lá, recebe atendimento e diagnóstico de pneumonia. Nesse caso, imediatamente ganha colo, acolhida e aconchego. No ouvido, a doce voz de sua mãe: “Vai ficar tudo bem, meu amor”. Agora pense o leitor, se no lugar da pneumonia, o diagnóstico fosse de Covid-19. Maria, imediatamente, seria arrancada de sua família, sem colo, sem aconchego, sem certeza alguma. A família iria para outro isolamento e, caso vizinhos de prédio, bairro ou cidade desconfiassem da possibilidade do contágio, ainda, além da dor e da distância, teriam que aprender a lidar com o preconceito.

Sobre isso, fomos conversar com a psicóloga sombriense Alessandra Jorge de Oliveira Soares: “o primeiro passo a dar quando se está sofrendo esse tipo de preconceito é focar na recuperação, focar no tratamento. Só o fato de estar em isolamento, ou pela doença ou pela suspeita do contágio, já é fator de sintomas como ansiedade e preocupação. Já há uma demanda muito grande para ser cuidada”. Ela sugere que os familiares que estão acompanhando os comentários maldosos, por exemplo, não deixem, nesse momento, mais esse tipo de preocupação chegar até o doente, já sensibilizado. Nessa hora, crê que ignorar seja a melhor resposta. “A pessoa preconceituosa já demonstra a falta de entendimento no assunto e, na maioria das vezes, não está aberta ao diálogo. Revidar só vai gerar desgaste. Atrapalha até na recuperação da imunidade”, diz a psicóloga.

“Muitas vezes, leio esse tipo de comentário e me pergunto: Meu Deus, como essa pessoa teve coragem de fazer esse tipo de comentário a um familiar num momento tão crítico? Entendo que as pessoas acabam usando as redes sociais para manifestarem seus medos, que talvez sejam tão borbulhantes, que transbordem em forma de agressão”. “Tenho medo, não chegue perto de mim”. Para Alessandra, muitos não sabem lidar com seus medos e aprenderam a repelir o desconhecido.

Questionamos a psicóloga sobre a possibilidade de se fazer presente, mesmo à distância. “Nenhuma delas vai substituir, verdadeiramente, o estar perto, o toque, o abraço, o pegar na mão, o olhar nos olhos, porém devemos transmitir a segurança de que a pessoa pode contar conosco nesse momento de isolamento necessário”. O uso da tecnologia pode ser um aliado nesse tempo, videochamadas, mensagens de vídeo, ou áudio ou um simples telefonema podem fazer muita diferença na recuperação do paciente.

Ela acredita que a empatia devesse ser ensinada em casa, desde os pequenos até os mais idosos, pois colocar-se no lugar do outro, pensando “e se fosse comigo?”, “e se fosse com meu filho?”. “Esse é um exercício necessário e constante”, finaliza.