Natural de cidade de Jacinto Machado, Luciano Costa nasceu em 19 de maio 1976, era casado com Néia Costa com quem teve a filha Rebeca.

Um homem integro, de bom caráter, querido e respeitado por todos, Luciano tinha uma missão especial de levar o amor de Deus para as pessoas através do ministério pastoral e da evangelização. Luciano foi, por muitos anos, pastor auxiliar da Igreja Batista Shekinah de Sombrio, ao lado do Apóstolo Siel de Souza. Com bom desempenho pastoral em Sombrio Luciano assumiu como pastor titular da Igreja Batista Shekinah de Balenário Gaivota, onde pastoreava atualmente. Carismático, excelente esposo, bom pai e ótimo amigo, Luciano estava sempre sorrindo e contagiando a todos por onde passava.

Em sua missão de vida além das atividades religiosas ele também almejava ser uma voz atuante na Câmara de Vereadores de Sombrio onde, como suplente, teve a oportunidade de assumir um período como vereador e poder auxiliar nas lutas pelas benfeitorias da comunidade.

O pastor Roberto Amorim, do Conselho de Pastores de Sombrio também expressou sua homenagem ao amigo: “Luciano era um grande amigo, guerreiro e lutador pela unidade das igrejas em nossa cidade. Era um líder de excelência, empenhado, dedicado na obra do Senhor, nos deixa um legado e com certeza deixará saudades. Em nome do Conselho de Pastores de Sombrio expressamos nossos sentimentos à Pra Néia, a filha Rebeca, a toda família e a todos os membros da Igreja”.

Daison Scheffer presidente do PP em entrevista a nossa equipe também lamenta com pesar a morte de Luciano: “Luciano era um homem de bem, sonhava em fazer a diferença na política, era uma cara da comunidade, gostava de fazer o bem para as pessoas e levar mensagens de fé aos corações. Um amigo de Sombrio que deixará muitas saudades”.

O ex-prefeito, Jusa Tiscoski diz que foi “uma surpresa muito grande”. “Luciano foi meu aluno, no bairro São José. Era um garoto muito bom. Além de estarmos juntos na política, naquele período em que eu era prefeito. Ele foi um grande parceiro. Eu e minha família lamentamos muito a morte dele”.

O vereador Nano Freitas disse quer Luciano Costa deixou como legado a postura de um homem cristão, correto e responsável em suas atitudes. Exemplo de profissional por onde passou e na vida pessoal. “Nos deixou somente coisas boas, exemplificando como ser um bom pai de família e principalmente como ser um bom e leal amigo”.

Os pastores Fernando e Helen Borges, da Igreja do Evangelho Quadrangular de São João do Sul, definem o pastor Luciano como um grande homem de Deus. “Conhecemos esse casal abençoado, na época, líderes de célula na Batista”. Helen conta que seu esposo, Fernando, em 2003, não tinha onde morar, e o casal Luciano e Néia, recém casados abriru mão da sua privacidade e levaram o pastor Fernando para morar na casa deles. Por um ano, ele recebeu carinho, amor, “e principalmente sendo discipulado pelo exemplo desse homem”, conta. “Que Deus abençoe e conforte o coração da Pra Neia, da Rebeca e todos familiares em nome de Jesus”, declara.

O casal de pastores Márcio de Souza Pereira e Lisiane Pereira, também da Igreja Batista Shekinah, declararam, em conjunto: “Amigo. Essa palavra define o Luciano. Aprendemos com ele a escutar com mais atenção, a não desprezar o necessitado, a ser compassivo e amar incondicionalmente a família e filhos. Fica na memória as lembranças do viver apaixonado por Cristo. Até a eternidade amigo”.

Deputado Zé Milton também lamentou a morte de Luciano: “Quem conviveu, com o pastor Luciano, pode testemunhar o quanto era agradável estar em sua companhia. Sempre sorridente e com uma palavra animosa. Uma pessoa comprometida com a igreja e com a sociedade. Assim como a saudade, fica também o orgulho e honra de tê-lo chamado de amigo”.

Pastor Donisete Oliveira, também da Shekinah, nos declarou: “Não tenho palavras pra dizer tamanho a dor desta perda. Meu amigo pastor, aquele que me apresentou Jesus e me ensinou a caminhar na Palavra, sempre vou ser grato a Deus por ter colocado ele no meu caminho. Muita gratidão pelo cuidado com as vidas de Balneário Gaivota”.

Para Paula Stefânia da Mota de Souza Patricio: “Um irmão que não tivemos. Sempre quando meus pais viajam, só diziam: qualquer coisa fala com Luciano. E assim ele cuidou da gente, cuidou da nossa família. Um cara leal. Sua lealdade ultrapassou crises, guerras e algumas lágrimas. Permaneceu ali, conosco. Participou de muitas trajetórias e conquistas da minha casa assim como participamos da vida dele. Nos deixa um legado de amor ao próximo, muito prestativo e atencioso conquistou todos a sua volta. Sou grata por cuidar e amar tão bem a minha casa, meus pais. Sem dúvidas, Papai do céu está em festa. Nós amamos você, sentiremos saudades, mas logo estaremos juntos”, diz.

Luciano estava internado no Hospital São João Batista, em Criciúma e foi vítima de uma bactéria que causou infecção generalizada, vindo a falecer na manhã de quarta-feira (15).Durante todo dia familiares e amigos fizeram homenagens através das redes sociais para Luciano.

Ele deixa a família, amigos, uma filha, a esposa e um legado de um homem que: “Combateu o bom combate, acabou a carreira, e guardou a fé”.

1 COMENTÁRIO

  1. Bah. Que trágico. Luciano era um cara sensacional. Muita força a família e amigos. Meus sentimentos.

Comments are closed.