O agronegócio catarinense já sente os efeitos da estiagem prolongada no estado. Segundo informações da Epagri, a estiagem que assola Santa Catarina teve início em junho de 2019 e já se mostra a mais severa desde 2005. A avaliação de impactos da seca na produção agropecuária e as ações já executadas em apoio aos produtores rurais, elaborada pela Secretaria de Estado da Agricultura e Epagri, foi apresentada durante encontro da governadora interina Daniela Reihner com lideranças do setor produtivo, nesta quinta-feira, 5.

O Extremo Oeste é a região catarinense cujos cultivos agrícolas estão em situação mais delicada em decorrência da estiagem. Em seguida aparecerem Oeste e Meio-Oeste. Milho (silagem e grão), fumo e pastagens sãos as as culturas mais atingidas até o momento.

A governadora interina Daniela Reihner disse que o foco neste momento será o atendimento emergencial e imediato aos atingidos, e que o governo vai continuar agindo para buscar mais ajuda e minimizar os efeitos da estiagem. E o secretário da Agricultura, Ricardo de Gouvêa, defendeu que é preciso pensar em ações a longo prazo, sugerindo a criação de um Gabinete de Crise.

A presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, lembrou a a importância de estar próximo dos agricultores familiares neste momento de crise. A Epagri deve identificar as regiões mais atingidas e levar aos produtores rurais as políticas públicas adequadas para superação deste momento.

Milho silagem

Segundo a Epagri/Cepa, milho silagem acumula perda média de -6,75% na produção estadual, resultando numa produção esperada de 8,8 milhões de toneladas. Na região Extremo Oeste a perda média é de -13,76%, enquanto no Oeste fica em -7,24% e no Planalto Norte chega a -10,03%. Em relação às condições das lavouras implantadas, 66,1% são consideradas boas, 21% médias e 12,8% ruins. Alguns municípios destas regiões já contabilizam perdas na produção superiores a 60%.

Milho grão

Para o milho grão primeira safra, até o momento, a perda média esperada para o estado é de – 4,12%. O maior impacto está no Extremo Oeste, onde a quebra de produção média é de -19,07%. No Oeste a perda está em -9,2%. Do total de lavouras do Estado, 56,5% estão em condição boa, 30,9% em situação média e para 12,6% a condição é considerada ruim. Neste cenário, a produção esperada é de 2,8 milhões de toneladas. As condições de lavoura ruins em boa parte das áreas plantadas e a previsão de pouca chuva nos próximos dias dão indicativos de que até o final da safra a quebra deverá ser maior.

Fumo

O fumo enfrenta até agora uma variação média de produção de – 1,92% no estado, com produção estimada em 209,7 mil toneladas. A perda não foi maior porque a estiagem está mais amena na principal região produtora. Fumicultores do Extremo Oeste já acumulam perdas de -14,16%, no Oeste as perdas são de -7,94% e no Meio-Oeste chegam a 6,05%. Boa parte das lavouras (75,6%) estão em boas condições. Para 19,6% a condição dos cultivos é média e 4,8% dos plantios estão em condição ruim.

Pastagens

Até o início de novembro, diversas regiões registravam impactos negativos da estiagem sobre a qualidade e quantidade de pastagens disponíveis para a produção animal, o que afeta o ganho de peso e a produção de leite, bem como na disponibilidade de água para os animais. As regiões mais atingidas são Extremo Oeste, Oeste e Meio-Oeste, que respondem por 80% da produção leiteira catarinense.

Arroz

No arroz, a quebra de produção média esperada até o momento para o Estado é de – 1,66%, com maior impacto no Sul, onde as perdas estão estimadas em -2,89%. Com base nisso, a Epagri/Cepa calcula uma produção total de 1,18 milhão toneladas para a safra 2020/21. No entanto, a maioria das lavouras (96,8%) está em boas condições e 3,2% em condição média, o que indica que as perdas estimadas não devem ser superiores às apresentadas. Pode haver até mesmo uma reversão deste quadro, visto que a região produtora de arroz não é a mais impactada pela estiagem.

Alho

O alho é a cultura de inverno onde se espera maior quebra de produção até agora, de -15,4%, o que reflete uma produção esperada de 17,8 mil toneladas. Em contrapartida, as lavouras, que estão na fase de bulbificação, seguem em boas condições em 90% dos casos. Os outros 10% apresentam médias condições de cultivo neste momento.

Cebola

A cebola, cultura em que Santa Catarina é líder nacional, deve encerrar a safra 2020/21 com uma produção de 475 mil toneladas, variação média estadual de -1,76% até agora. A Epagri/Cepa estima perda de -15,78% no Meio-Oeste, -8,33% no Planalto Norte e -8,17% no Vale do Itajaí, principal região produtora. Até o momento, 82,6% das lavouras estão em boas condições, enquanto 16,6% apresentam condições e médias e apenas 0,8% têm condição considerada ruim.

Aveia

No caso da aveia, produção esperada é de 44,8 mil toneladas, volume 11,22% menor na comparação com o ciclo agrícola anterior. A região mais atingida é o Planalto Norte, com quebra de produção estimada em -28,15%. No Meio-Oeste as perdas chegam a -18,95% e no Extremo Oeste a -14,45%. Com 71,4% das lavouras já colhidas, a condição dos plantios é considerada boa em 74% do total a ser colhido, média em 19,1% e ruim em 7%.

Trigo

O trigo deve ter aumento de produção de 5,6% devido ao crescimento da área cultivada. Apesar disso, são esperadas perdas de -11,39% no Meio-Oeste, -7,08% no Oeste, e pequena alta de 0,37% no Extremo Oeste. Com relação às condições de cultivos, em 63% da área ela é considerada boa, 24,8% média e ruim em 12,2% do total.

Níveis de chuvas

A situação das lavouras reflete o baixo nível de chuva registrado em Santa Catarina desde junho de 2019. O Meio-Oeste está sendo a região mais atingida pela estiagem, onde deixou de chover 895,9mm acumulados no período para alcançar as médias históricas mensais. O pior mês foi outubro de 2020, quando choveu apenas 29,2mm, muito abaixo da média da região, que é de 154,2mm.

Na região Oeste, também se observou pouca chuva e ocorrência irregular desde junho de 2019, acumulando um valor de 801,9mm de falta de chuva no perído. Mais uma vez, o pior mês foi outubro último, quando é normal que chova 169,5mm, mas choveu somente 27,1mm.

No Extremo Oeste, faltou chover em torno de 711mm entre junho do ano passado e outubro deste ano. Neste intervalo, setembro de 2020 registrou o maior déficit, de -143,9mm. Choveu 30,4mm contra uma média esperada de 174,3mm.

Previsão do Tempo

Segundo a Epagri/Ciram, a chuva não deve voltar a Santa Catarina até o sábado, 8.  No domingo a umidade aumenta do Planalto ao Litoral, provocando pancadas isoladas de chuva com raios na tarde e noite. No Oeste e Meio-Oeste, a umidade do ar segue mais baixa.

Nos dias 09 a 11, as condições atmosféricas ficam mais favoráveis à ocorrência de chuva em no Estado, devido ao aquecimento e influência de áreas de baixa pressão. Nos dias 12 e 13, o tempo volta a ficar mais seco no Oeste e Meio-Oeste, e a condição de chuva fica restrita a faixa Leste do estado (Planalto ao Litoral).

A previsão até janeiro é de chuva abaixo da média climatológica, com irregularidade no espaço e no tempo e com dias consecutivos sem chuva, devido à atuação do fenômeno La Niña. Em novembro a chuva pode ser ainda mais escassa.

 

Investimentos

Neste ano, a Secretaria de Estado da Agricultura criou novos programas e linhas de crédito para incentivar os investimentos em sistemas de captação e uso de água, além de projetos de apoio à reconstrução de estruturas prejudicadas com eventos climáticos extremos. Conforme os dados divulgados pela Secretaria, foram investidos cerca de R$ 24 milhões no apoio do setor produtivo para 1.400 famílias.