Marido traído

Foi espetacular a repercussão que teve a cena de amor havida entre Chico Buarque e uma mulher chamada Celina, em 2005, na praia do Leblon, no Rio de Janeiro, numa bela tarde de Domingo. Não pela cena em si, que é comum nos dias atuais, mas pelas características pessoais que envolviam os personagens.

Chico Buarque tinha 60 anos, e ainda era e é um homem bonito Tem olhos cor de ardósia que fascinam as mulheres. É poeta, músico e cantor. Tornou-se famoso mundialmente pelas composições de músicas fantásticas. Elas têm melodia e letras lindas e inteligentes. Sem querer fazer trocadilho, tudo o que ele bota a mão faz sucesso. Eu não podia perder esta oportunidade. Foi o que aconteceu com aquela moça.

Sendo poeta com certeza é um homem gentil, sensível, inteligente e carinhoso. Tem “feeling”. Um “gentleman”. Ela tinha 35 anos. Pelas fotos dos jornais via-se que era uma mulher linda. Casada, tem dois filhos. Empresária, produtora de eventos, fotógrafa e “designer” (hoje é o dia de palavras importadas). Não é preciso dizer mais nada para deduzir-se que também é sensual e charmosa. Claro, também cheia de sensibilidade. Os dois juntos eram mistura de fogo com pólvora.

Agora entra em cena o maridão. Este tinha 44 anos. Em respeito a ele, deixo de declinar seu nome. A reação dele foi inusitada, e causou-me espanto. De pronto, deixou evidente que perdoou a mulher. Mesmo porquê, segundo a imprensa, ela já teria tido um caso com o famoso artista há cerca de sete anos. Não foi o perdão que me causou perplexidade, pois cada um sabe de si, mas sim o recado que ele mandou para o renomado artista. Achei estarrecedor. Disse o traído que Chico Buarque deveria procurar alguém de sua idade, talvez numa clínica geriátrica. Uma pessoa que pensa assim só poderia ser traída. Vejamos a razão.

O marido de Celina está atrasado no tempo. Ele ignora um fenômeno importante que ocorre com a humanidade. Com o progresso da ciência e dos meios de informação e, em especial, com a evolução cultural da mulher, cada dia a diferença de idade entre um homem e uma mulher se torna mais irrelevante. As mulheres, de um modo geral, não procuram e não priorizam o homem tipo “machão”. Que tenha só beleza e vigor físico. Elas cansaram de sofrer e de morrer nas mãos de trogloditas.

As mulheres, hoje em dia, gostam e praticam mais sexo do que antes. Agora o fazem com mais qualidade e com a mesma intensidade dos homens, graças à liberalidade social e a segurança dos modernos métodos anticonceptivos. Mas isso não é tudo que elas procuram num homem.

Elas querem e valorizam o homem inteligente, educado, romântico, gentil, carinhoso, seguro de si e que lhes dê atenção e proteção. Uma pessoa equilibrada, que lhes dê um pouco de cada uma destas virtudes, inclusive sexo. A idade não é prioridade. Claro, se for jovem e bonito, melhor. Mas aí já é ganhar na mega sena. Por isso o Chico Buarque se deu bem. Se algum dos meus raros e pacientes leitores homens não sabia disso, ainda há tempo. Corra! Evolua! Conquiste ou salve o seu grande amor.