“Não podemos de forma alguma retroceder, voltar ao que era há quatro anos; convoco a todos do nosso 11, do PP, a votar em massa nesta dupla, Brambila e Volnei, do 55”. A declaração é do atual vice-prefeito de Maracajá, Ademir de Oliveira, ao participar da “Live da Inovação”, na noite desta quarta-feira (21), iniciativa da coligação “Evoluir com inovação e transparência” (PSD/PSL/PP/PDT) á Prefeitura de Maracajá.

Ademir desenhou dois cenários que ele e Arlindo Rocha encontraram ao assumirem a administração municipal em janeiro de 2017. “A unidade de saúde da Vila Beatriz tinha sido fechada na semana seguinte a eleição, em outubro de 2016, e o Cemasas estava completamente paralisado, abandonado, fechado, uma situação que não queremos ver de novo”, disse o vice-prefeito. “Em todos os setores o abandono era igual”, afiançou.

Oliveira demonstrou a relação da administração encerrada em 2016 com os servidores municipais, como prova de gestão sem compromissos com o serviço público. “Havia um grupo de quase 20 servidores que recebia abono mensal para chegar ao salário mínimo nacional e a partir de 2018 instituímos o piso salarial, que beneficiou 30% do quadro de servidores, cerca de 80 trabalhadores, que ganhavam menos que R$ 1.200,00”, ilustrou.

Brambila e Volnei reafirmaram compromisso de manter a relação de respeito com o Sindicato dos Servidores, iniciada por Arlindo e Ademir, e as conquistas dos últimos anos, como piso salarial atualizado, vale alimentação e abono assiduidade. “Hoje a menor remuneração paga aos servidores é de R$ 1.700,00”, salientou Ademir de Oliveira, ressaltando “manter estas conquistas é garantir melhor qualidade no serviço público prestado à comunidade”.