Em depoimento à CPI das Fake News, que investiga notícias falsas e assédio nas redes sociais, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou que parlamentares ligados ao governo federal usam assessores de seus gabinetes para promover ataques virtuais contra desafetos. Um dos acusados por Joice foi o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Além de Eduardo, ela citou os deputados estaduais do PSL Douglas Garcia (SP), Gil Diniz (SP) e Alana Passos (RJ). Também mencionou três servidores comissionados do Palácio do Planalto, que compõem o grupo conhecido como “gabinete do ódio”. Segundo a deputada, todos esses assessores são empregados com a função de organizar redes de ataques, o que pode configurar improbidade administrativa.

— Não estamos falando de fofoquinha de WhatsApp. É uma organização criminosa que funciona de maneira coordenada. Há dinheiro público. Escolhe-se um alvo, combina-se o ataque, em questão de minutos temos uma mensagem espalhada para o Brasil inteiro. É uma sensação passada para que muitos fiquem atemorizados com ‘o levante da internet’.

A deputada explicou que esses assessores operam páginas e perfis que atuam como elos intermediários na cadeia dos ataques. Eles produzem conteúdo a partir de orientações combinadas em grupos secretos, e as publicações seguem um “revezamento” previamente estabelecido entre as páginas. Depois, o material é repercutido com o uso de bots (robôs). As orientações, segundo Joice, partem de lideranças como Eduardo Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro e o assessor especial da Presidência Filipe Martins.En

tre os nomes citados pela deputada estão Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Salles Gomes e Mateus Matos Diniz, assessores da Presidência; Carlos Eduardo Guimarães, secretário de Eduardo Bolsonaro; e Edson Salomão, presidente do Movimento Conservador e assessor de Douglas Garcia.

Joice disse que outros nomes podem surgir depois que redes sociais como Twitter, Facebook e Instagram abrirem o sigilo de administradores de perfis anônimos e páginas satíricas que participam das redes de ataques. Ela já iniciou ações judiciais nesse sentido.
O custo do uso de robôs para movimentação de conteúdos também foi um ponto assinalado por Joice. A deputada, disse que consultou especialistas na área e identificou que um único impulsionamento artificial pode chegar a custar R$ 20 mil. Ela instigou a CPI mista a se debruçar sobre o financiamento dessas atividades.

— O principal foco desta comissão [tem que ser] seguir o dinheiro. Se o ataque é em grupo e isso é feito em perfis de todos os cantos, de onde vem o dinheiro? Estamos falando de milhões de reais — questionou.