De acordo com a investigação, na noite de 23 de julho, o radialista encontrou dois dos criminosos no Centro de Canoinhas

A Polícia Civil informou que foram presos nesta quarta-feira (3) três suspeitos de envolvimento na morte do radialista Paulo Ricardo Ferreira, de 35 anos. O caso é tratado como latrocínio, ou roubo seguido de óbito. Além das prisões, a polícia cumpriu oito mandados de busca e apreensão nos últimos dias.

Paulo foi encontrado morto com sinais de violência próximo a um carro incendiado em Canoinhas, no Norte catarinense, na tarde de 24 de julho. A vítima era conhecida na cidade como “Paulinho da Rádio UNC”, já que trabalhava na Universidade do Contestado.

De acordo com a investigação, na noite de 23 de julho, o radialista encontrou dois dos criminosos no Centro de Canoinhas e eles entraram no carro de Paulo em direção ao Parque de Exposições, onde o veículo foi, posteriormente, encontrado incendiado.

“Não é possível determinar com precisão se a vítima foi ali mediante ameaça a entrar no carro, dirigir e levá-los até o Parque de Exposições, local em que o crime foi cometido, ou se eles convenceram a vítima a dar carona para eles até lá”, afirmou o delegado Darci Nadal, responsável pelo caso.

A investigação apontou que os dois suspeitos procuravam, no Centro da cidade, uma vítima para cometer um roubo.

Sem imagens ou testemunhas, a polícia espera que os depoimentos dos suspeitos ajudem a determinar a conduta de cada um. Os criminosos roubaram celular, dinheiro e cartões de crédito da vítima.

Durante o inquérito, a polícia encontrou o celular do radialista na casa de um terceiro homem. Dessa forma, na segunda (1º), os policiais pediram a prisão preventiva dos três suspeitos. Eles têm 20, 21 e 32 anos e foram encontrados nesta quarta.

Os dois homens que estavam com a vítima no dia da morte foram presos suspeitos do assassinato. A polícia também achou e apreendeu as roupas usadas por eles no dia do crime. O terceiro homem foi preso por receptação.

As prisões foram feitas em trabalho conjunto da Polícia Civil com a PM. O inquérito deve ser finalizado nos próximos dias e, em seguida, será enviado ao Ministério Público de Santa Catarina.

G1 SC



DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui