Viaturas e aeronaves da Polícia Civil ganharam internet via satélite para garantir a comunicação entre a corporação nas atividades em regiões mais remotas ou nas chamadas áreas de sombra. O projeto, em fase experimental, foi liderado pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, em parceria com a Polícia Civil, e apresentado pelo governador Jorginho Mello, durante ato em Morro da Fumaça, na sexta-feira, 26, onde ocorreu a inauguração da sede da nova delegacia.

“Essas iniciativas enchem a gente de orgulho, porque estamos cumprindo a missão de cuidar das pessoas com essa capacidade inovadora que Santa Catarina tem. Eu sempre digo que a tecnologia tá aí pra facilitar a vida do cidadão, melhorar o atendimento que o Estado oferece pra população. Essa é mais uma ação que mostra o nosso trabalho para aprimorar a Segurança Pública catarinense, que é um exemplo para o Brasil”, disse o governador Jorginho Mello.

Ao longo da semana, foram instaladas antenas que garantem a conectividade na base do Serviço Aeropolicial (Saer) de Criciúma. A partir do uso, os resultados serão avaliados para saber se os equipamentos atendem às necessidades da Polícia Civil ou se há questões técnicas a serem ajustadas. E também serão realizados estudos de viabilidade financeira e investimentos para aquisição. O helicóptero que opera em Chapecó também receberá a internet via satélite. Os equipamentos são os mais atuais disponíveis no mercado.

O uso da internet via satélite é uma tecnologia revolucionária porque o rádio não precisará mais fazer o uso de um chip que depende de serviço de internet, a exemplo de um telefone celular. O satélite de baixa órbita, usado no projeto, possui uma constelação de vários satélites orbitando na Terra que garante a cobertura 24 horas do serviço.

Entre os benefícios estão a conectividade mais estável, possibilidade de transmissão de dados mais pesados como imagens ( fotos e vídeos ), além de possibilidade de conexão ao vivo. A antena presente no helicóptero também poderá servir de suporte para conexão com a base terrestre, como uma viatura, por exemplo.

A segunda fase do projeto ocorrerá após avaliação dos resultados da primeira etapa e prevê a chamada conectividade smash: incluir a conectividade com o policial civil. Se o policial precisar sair da viatura e entrar em uma mata fechada, por exemplo, ele terá conexão com o rádio comunicador e ainda poderá passar a localização exata de onde está (georeferencial) proporcionando mais segurança para o profissional.

Segundo o secretário da SCTI, Marcelo Fett,  este tipo de conectividade transforma e salva vidas, além de dar mais qualidade e segurança para quem está trabalhando. “Através da comunicação via satélite, possibilitamos mais agilidade e confiança nos serviços prestados”, ressaltou Marcelo Fett.

O delegado-geral, Ulisses Gabriel, explica que a PCSC investe em tecnologia, na valorização dos policiais civis e na infraestrutura. “Essa nova funcionalidade vai permitir que o Saer e Polícia Civil de modo geral melhorem ainda mais a qualidade da prestação dos seus serviços à população”, assinala.

Para o delegado do Saer Gilberto Crepaldi Mondini, essa nova tecnologia, que a PCSC está sendo pioneira de implantação, tanto no sinal wi-fi, quanto na radiocomunicação, será de grande diferencial para a operação das aeronaves da Polícia Civil dentro do Serviço Aeropolicial (Saer).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui